Terça-feira, 16 de Junho de 2009

Agualusa, diverte-se escrevendo.

ImageJosé Eduardo Agualusa admite que o novo romance, "Barroco tropical", reflecte algumas preocupações que tem em relação a Angola. "Há uma dinâmica que, se continuar, pode levar o país aos desastres de que o livro fala", diz.
Uma mulher cai do céu durante uma tempestade tropical. As únicas testemunhas do acontecimento são Bartolomeu Falcato, escritor e cineasta, e a amante, Kianda, cantora com uma bem-sucedida carreira internacional.

Bartolomeu esforça-se por desvendar o mistério enquanto ao seu redor tudo parece ruir. A trama do novo livro de José Eduardo Agualusa, "Barroco tropical", passa-se em Angola, em 2020. Mas as histórias nele relatadas confundem-se com a realidade actual daquele país.

O escritor angolano afirma que o seu objectivo não foi criar polémica, mas diz esperar que "o livro traga alguma discussão".

Defende-se afirmando que "as distopias servem precisamente para fazer com que as pessoas reflictam e tentem contrariar tendências" e sublinha que, dos livros que já escreveu, "este é o que está menos colado à realidade".

"Barroco tropical" relata acontecimentos, vivências e comportamentos que se aproximam muito do que se passa na realidade angolana. Isto não lhe criou problemas?
 
Não. Nem acredito que possa trazer. Este é um romance que espero que possa trazer algum debate e alguma reflexão. Nunca problemas.

A história decorre em 2020. Mas parece decalcada da actualidade...
 
É uma distopia. Um olhar sobre o futuro. As distopias servem precisamente para chamarem a atenção sobre determinadas dinâmicas. Isto não significa que estas situações estejam a acontecer neste momento. Mas, se uma determinada dinâmica se mantiver, poderão vir a acontecer.

Como definiria "Barroco tropical" no conjunto dos sete romances que já publicou?
 
Ao contrário dos anteriores este livro é muito mais exuberante. Tem muitas mais personagens. Também é um dos livros em que o fantástico está muito mais presente. Tirando, talvez, "O vendedor de passados", considero "Barroco tropical" o livro menos colado à realidade. Embora quem o leia possa achar que não.

Este é um romance um tanto desassombrado relativamente ao futuro em Angola em 2020. Há corrupção, miséria, destruição do tecido social...
 
Sim, acho que o livro é sombrio. Mas as distopias servem precisamente para pôr as pessoas a reflectir, a discutir e a tentar contrariar tendências. Actualmente, há uma dinâmica que está em curso que, se continuar, pode levar o país a esses vários desastres de que o livro fala. Mas acredito que Angola vai conseguir inverter isso.

Como escritor, acha que pode contribuir para mudar alguma coisa?
 
Os escritores podem ajudar um pouquinho, embora, no que diz respeito a Angola, os livros cheguem a muito pouca gente. Quem lê livros em Angola são pessoas já com uma certa capacidade de intervenção. E se o livro as levar a reflectir e discutir o assunto já será bom.

No livro, colocou uma mulher na presidência de Angola. Acha que esse será o caminho?
 
Cada vez mais, vão ser as mulheres a tomar o poder. Acho que essa é uma tendência muito clara. Aliás, já há uma mulher a governar um país africano, a Libéria.

Sempre viajou muito. E os seus livros, de certo modo, transparecem esse constante movimento. Viajar inspira-o para a escrita?
 
Ajuda bastante. Os livros são sempre o resultado das experiências de quem os escreve.

Nas o seu objectivo primordial não foi viajar para escrever, pois não?
 
Não. A escrita aconteceu um pouco por acaso. Eu viajava porque gostava de conhecer pessoas. Agora viajo sobretudo por causa dos livros, para fazer a promoção.

O Prémio Independente de Ficção 2007, que lhe foi atribuído em Inglaterra, foi importante na sua carreira?
 
Ajudou muito. Sobretudo ajudou a que os países de expressão inglesa se interessassem mais por traduzir a minha obra.

E como autor? Criou-lhe alguma responsabilidade acrescida?
 
Não penso nessas coisas. É necessária alguma irresponsabilidade quando se escreve.

Uma das personagens do seu livro diz precisamente a mesma coisa...
 
Nem sempre concordo com o que as personagens dizem, mas com esta sim. Escrevo porque me continuo a divertir e porque acho a escrita apaixonante. Não penso nas consequências.

 
publicado por saudacoesangolanas às 12:18
link do post | comentar | favorito

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. simplesmentedetalhes

. ...

. Finalmente o turismo Ango...

. DJ Kadú ganha disco de ou...

. A economia de Angola não ...

. Bolsa de valores em Ango...

. Construção "uma mina de o...

. Angola na Expo-China

. Grande Festa Mangolé

. Mia Couto e Agualusa nome...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Desconstruções

blogs SAPO

.subscrever feeds