Terça-feira, 6 de Outubro de 2009

Angola e Portugal unidos na musíca!

Image"Dance Mwangolé", álbum de estreia dos Batida, pretende "brincar com música angolana e juntar-lhe ritmos actuais, transformando-a em boa música", como explica DJ Mpula, um dos membros da banda.

Em "Dance Mwangolé", aliados às sonoridades africanas, encontramos elementos da música mais actual, como a electrónica, o house, o hip hop e o rap. Mpula, que também é o responsável pelo programa "Batida", da Antena 3, que visa a promoção de música angolana, explica que, para este trabalho, a banda pegou "numa base de raiz tradicional e transformou-a numa base moderna".

Assim, o álbum é uma espécie de "choque entre duas gerações: a dos cotas, dos anos 60 e 70, e a nossa, numa fusão única com ritmos tradicionais africanos e sons que ouvimos hoje em dia", acrescenta.
 

Aliando uma pesquisa a um catálogo da Valentim de Carvalho em que figuravam músicas africanas antigas às vivências dos constituintes da banda, foi nascendo o projecto. De acordo com Mpula, o grupo procurava "contribuir humildemente para promover mais informação e interesse por algo que está tão distante, como a música africana", destacando o diálogo, já de muitos séculos, entre Portugal e Angola.
 


Assim, a primeira música a aparecer foi "Bazuka", ainda no programa de rádio, resultante de um "'sample' antigo", ao qual o apresentador foi adicionando "alguns 'beats'", recorda.

Depois da devida autorização para trabalhar esta e outras músicas, fecharam-se num estúdio durante dois meses. "Fomo-nos deixando levar por um processo de experimentação" dos temas, explica, que ainda foram "enriquecidas pela participação do Ikonoklasta, do Sacerdote e da Dama Ivone", entre outros.

Agradado com o resultado final, o músico salientou que o mesmo só foi possível porque cada um dos membros mantém uma "forte ligação com Angola" e tem trabalhado na área da "música africana". De acordo com Mpula, a banda parte sem grandes objectivos para as vendas do álbum, uma vez que a principal meta já foi conseguida: "Acabá-lo".

O artista recorda que, à partida, o maior desafio era saber se seriam capazes de construir algo que "comunicasse a paixão por África". Desta forma, garante que "tudo o que vier, é óptimo".

Para a banda, todo o álbum é "especial", desde os temas à própria capa. Esta pretende alertar para "uma realidade estatística que mostra que Angola ocupa o primeiro lugar mundial na lista da mortalidade infantil". Nela, é retratado um miúdo de um gueto angolano, a quem é dado o estatuto de super-herói. "Sobreviver num local com tantas carências e onde a mortalidade infantil é tão elevada é mesmo só para super-heróis", finaliza.

Este projecto é lançado numa época em que as músicas africanas estão a ter grande procura em Portugal, algo que não acontecia há alguns anos. Mpula explica o facto com uma "presença física concreta dos africanos em Portugal, nas comunidades, por exemplo, muito motivada, também, pela história comum que aproxima Portugal e Angola".

O artista salienta que esta situação só "contribui para o enriquecimento cultural português".
 

 
)

publicado por saudacoesangolanas às 15:20
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. simplesmentedetalhes

. ...

. Finalmente o turismo Ango...

. DJ Kadú ganha disco de ou...

. A economia de Angola não ...

. Bolsa de valores em Ango...

. Construção "uma mina de o...

. Angola na Expo-China

. Grande Festa Mangolé

. Mia Couto e Agualusa nome...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Desconstruções

blogs SAPO

.subscrever feeds