Sexta-feira, 11 de Setembro de 2009

A ganância não leva a nada

Wednesday, 09 September 2009
ImageCom a oferta desajustada da procura, os preços podem atingir os sete mil euros por metro quadrado. Proprime fala na necessidade de 200 mil casas. O mercado da habitação em Luanda é fortemente desiquilibrado, mas os preços especulativos da oferta actual - a maioria direccionada para a gama alta de clientes - e a consequente dificuldade em encontrar produtos imobiliários para a classe média estão a dificultar bastante a concretização das operações imobiliárias.

A complicar este quadro pode juntar-se a dificuldade dos clientes em obter crédito bancário, tendo em conta a disparidade dos valores das casas e os ordenados praticados.

Ou ainda encontrar casas com valores de renda que possam suportar. Com uma oferta desajustada da procura, muitas casas atingem preços de venda de dez mil dólares (sete mil euros) o metro quadrado. O mesmo se passa com os valores de renda onde as mensalidades dos T3 ou T4 atingem facilmente os sete a nove mil euros/mês.

Influenciados pela situação de euforia vivida nos anos de 2006 e 2007 em que a prática em Angola foi a de comprar as casas em planta, sem recurso ao crédito e por preços especulativos, muitos destes empreendimentos destinam-se a um segmento alto, com preços exorbitantes, que agora não são possíveis de praticar.

O director geral da consultora Proprime em Angola, Nelson Rêgo, considera que o "problema é encontrar um produto imobiliário que satisfaça as necessidades do cliente e que esteja num valor de mercado compatível com seu rendimento mensal".

A Proprime fez já este ano um levantamento das necessidades da habitação e dos preços no mercado de Luanda e constatou a necessidade de cerca de 200 mil casas.

De acordo com Nelson Rêgo estas habitações terão de apresentar preços e qualidade média para satisfazer os quadros que ganham entre os dois a três mil euros por mês e que podem pagar rendas na ordem dos 120 a 200 euros mensais.

A Proprime considera que as zonas de Camama ou Viana são pólos potenciais de construção deste tipo de projectos imobiliários destinados à classe média.

Reposicionar os projectos
Neste momento muita oferta que existe destina-se a um segmento de mercado que está a ser afectado pela quebra dos preços do petróleo e com a crise mundial. Esta situação está a afectar, particularmente, os promotores portugueses que nos últimos anos decidiram apostar no imobiliário neste país e estão a iniciar a construção dos empreendimentos.

Muitos destes projectos abrandaram o ritmo de construção ou então estão parados, procurando reposicionar os projectos em outros segmentos. Este facto leva a que alguns promotores estejam a reposicionar os projectos de luxo para um segmento médio de forma a que, comercialmente, possam escoar a oferta. Uma situação que é possível para os promotores que apostaram no faseamento dos projectos de habitação, o que não acontece com a maioria deles.

De acordo com José Covas, director de avaliações da consultora Worx, "sente-se um abrandamento dos projectos imobiliários, mesmo no segmento de escritórios, onde é nítida a falta de espaços". Na sua opinião muitos destes empreendimentos vão ter de ser reposicionados, com custos para quem está a investir.
 
De acordo com o levantamento feito pela Proprime, neste momento, em Luanda - incluindo as diversas zonas da cidade e periferia - estão em construção três milhões de metros quadrados de habitação, promovidos por empresários chineses, brasileiros, angolanos e portugueses, em que a maioria dos projectos se encontram desajustados da procura.

 

publicado por saudacoesangolanas às 19:32
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. simplesmentedetalhes

. ...

. Finalmente o turismo Ango...

. DJ Kadú ganha disco de ou...

. A economia de Angola não ...

. Bolsa de valores em Ango...

. Construção "uma mina de o...

. Angola na Expo-China

. Grande Festa Mangolé

. Mia Couto e Agualusa nome...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Desconstruções

blogs SAPO

.subscrever feeds