Sexta-feira, 24 de Abril de 2009

Loucas noites em Luanda (2)

Nem é altura para falar de trabalho, prontos a desligar por três dias do stress das reuniões e do trânsito infernal de Luanda. 'Depois da meia-noite a cidade é um paraíso', garante João, já entretido com uma caipiroska ao canto da pista. Do dia restam o calor e a humidade de sempre, que pouco abrandam ao passar das horas.

E os portugueses, franceses, alemães, russos ou holandeses que, além dos angolanos 'com poder de compra', suportam em Luanda preços de uma noite europeia. Uísque novo ou vodka, seis euros; cerveja de garrafa, quatro.

Também jantar não é barato na cidade. A oferta num bom restaurante, por um bife ou outros pratos que não deixam saudades de Lisboa, com cerveja ou vinho médio a acompanhar, ronda os 40 a 80 euros por pessoa.

E as opções são várias. Sobretudo 'para quem conhece', grupos de portugueses que se formam à chegada de cada um a Luanda, apesar do trabalho em diferentes áreas, e que ao fim de meses funcionam como um clã.

É nesse espírito que não falham um jantar de sexta ou sábado, normalmente em esplanadas, sempre que não partem para um fim-de-semana 'mais calmo' de praia em Cabo Ledo, a duas horas, ou na ilha do Mussulo, do outro lado da baía de Luanda.

Os resistentes apostam esta quinta-feira na primeira de três noites a prometer longa animação, como Tiago Mendes, que chega ao Chill Out já depois das duas da manhã. Sem pressas, quando o bar lounge deu lugar à discoteca agitada.

O engenheiro civil bebe uma cerveja debaixo do 'calor insuportável', a que ainda não se habituou, já com a pista repleta de mulheres. Com o som das colunas a chegar à praia em frente.
'Há quem se queixe do calor, mas o tempo é uma vantagem. Um país tropical permite rentabilizar um espaço destes, ao ar livre, doze meses por ano. Ao contrário de Portugal', recorda Luís Castilho. Muitos bebem pela noite dentro e caem vencidos. 'Dormem na praia...'

A concorrência de outros espaços da noite de Luanda 'nunca deu problemas, mesmo os mais antigos. Há mercado para todos. Até publicitamos as nossas festas à porta deles', com miúdos a distribuir panfletos junto ao Palos, por exemplo, que faz da quinta-feira a sua noite de referência.

Casa cheia garantida. Ali, na discoteca de dois andares com vista sobre a cidade, a aposta é forte ao sabor dos ritmos africanos. Kizomba acima de todos, com a russa Elena deliciada entre uma multidão.
 

publicado por saudacoesangolanas às 11:54
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. simplesmentedetalhes

. ...

. Finalmente o turismo Ango...

. DJ Kadú ganha disco de ou...

. A economia de Angola não ...

. Bolsa de valores em Ango...

. Construção "uma mina de o...

. Angola na Expo-China

. Grande Festa Mangolé

. Mia Couto e Agualusa nome...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Desconstruções

blogs SAPO

.subscrever feeds