Quinta-feira, 4 de Dezembro de 2008

Angola no bom caminho

ImageO Comité dos Direitos Económicos, Sociais e Culturais das Nações Unidas acolheu com agrado os progressos registados por Angola nos últimos seis anos, com vista a atingir os objectivos do milénio.

O facto vem expresso no relatório final do processo de avaliação publicado segunda-feira, em Genebra (Suíça), após a análise do informe de Angola sobre a implementação da convenção das Nações Unidas sobre os Direitos Económicos, Sociais e Culturais.

Aquele órgão, encarregado de monitorar a implementação da referida convenção, realça igualmente os avanços conseguidos por Angola para a integração dos deslocados internos, afectados pela guerra que assolou o país.

Por outro lado, o Comité manifesta a sua preocupação face ao fenómeno das crianças acusadas de feitiçaria, sobretudo nas regiões mais remotas do país, e em relação às minas ainda espalhadas pelo território e outros resíduos remanescentes.

Apela o governo a prosseguir com a aplicação de políticas e um plano global de habitação e evoca o rápido crescimento das crianças em idade escolar.

Nos dias 12 e 13 de Novembro, o vice-ministro das Relações Exteriores, George Chicoty, à frente de uma delegação do Governo, apresentou em Genebra o relatório de Angola relativo à aplicação daquele instrumento jurídico internacional, obrigação a que estão submetidos todos os Estados-membros.

O relatório apresentado pelo governante angolano indica que nos programas de desenvolvimento do país está incorporada a ideia da universalidade e indivisibilidade dos Direitos Humanos, na medida em que o Estado deve criar as condições políticas, económicas, sociais e culturais necessárias para que os cidadãos possam gozar efectivamente dos seus direitos e cumprirem integralmente os seus deveres.

Faz menção das excelentes relações de Angola com as Nações Unidas e órgãos das convenções, com destaque para o Comité para os Direitos Económicos, Sociais e Culturais.

Em outra vertente menciona os efeitos negativos causados pela guerra em Angola, especialmente a destruição e degradação das infra-estruturas económicas, sociais e culturais, o sofrimento das populações, particularmente aos segmentos mais vulneráveis da sociedade, e cerca de 4,5 milhões de deslocados.

 
publicado por saudacoesangolanas às 16:50
link do post | comentar | favorito
|

.mais sobre mim

.pesquisar

 

.Fevereiro 2011

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28

.posts recentes

. simplesmentedetalhes

. ...

. Finalmente o turismo Ango...

. DJ Kadú ganha disco de ou...

. A economia de Angola não ...

. Bolsa de valores em Ango...

. Construção "uma mina de o...

. Angola na Expo-China

. Grande Festa Mangolé

. Mia Couto e Agualusa nome...

.arquivos

. Fevereiro 2011

. Novembro 2010

. Abril 2010

. Fevereiro 2010

. Janeiro 2010

. Dezembro 2009

. Novembro 2009

. Outubro 2009

. Setembro 2009

. Agosto 2009

. Julho 2009

. Junho 2009

. Maio 2009

. Abril 2009

. Março 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Abril 2008

.tags

. todas as tags

.favorito

. Desconstruções

blogs SAPO

.subscrever feeds